Instituto TIM

Dinossauros, aves e uma ligação de milhões de anos

24/06/2016

O que um Tiranossauro Rex e um passarinho têm em comum? Muito mais do que a gente imagina! As aves são descendentes dos terópodes, um grupo de dinossauros que incluía espécies como o velociraptor, o espinossauro e o próprio Tiranossauro Rex. Parece estranho que esses grandes animais deram origem a um grupo tão diverso e diferente como o das aves, mas existem vários estudos que mostram que eles têm muitas semelhanças entre si.

Algumas delas estão no esqueleto desses animais. Os ossos do pescoço tanto das aves quanto dos terópodes têm o formato da letra “S”. Eles também têm ossos pneumáticos pelo corpo, que são ocos, leves e deixam o ar passar. Você já reparou nas patas de um pássaro, de uma galinha ou de outras aves? São três dedos para a frente e um para trás, assim como os dos terópodes. E, por incrível que pareça, algumas espécies de dinossauros tinham penas pelo corpo, que serviam para regular a temperatura.

Conheça algumas espécies de dinossauros brasileiras

É claro que essa transformação não aconteceu rapidamente. Foram mais de 50 milhões de anos de mudanças bem lentas de gerações para gerações de terópodes para chegar às espécies de transição, ou seja, que misturavam características de dinossauros e de aves. Diminuir o tamanho foi uma das principais mudanças que aconteceram. Com isso, os primeiros descendentes dos terópodes ganharam mais agilidade e leveza e conseguiram sobreviver a predadores e aos efeitos do asteroide que levou os dinossauros à extinção. Além disso, o tamanho menor foi uma das vantagens que ajudou parte das aves a conseguir voar.

A principal espécie de transição já encontrada é o arqueópterix, considerado a primeira ave que conhecemos. Ele tinha mandíbulas com dentes afiados, uma cauda longa e cheia de ossos pesados e dedos com garras na ponta de suas asas, características que não são encontradas em aves. Por outro lado, o arqueópterix também tinha um corpo todo coberto por penas, asas com penas de formato aerodinâmico (assim como as dos pássaros), dedos menores, um osso chamado fúrcula – conhecido como “osso da sorte” – e o tamanho de um pombo. Com esse jeito metade dinossauro e metade ave, não é à toa que ele primeiro foi classificado como um terópode quando foi descoberto, em 1861.

É possível recriar dinossauros em laboratório, como na série de filmes “Jurassic Park”?

Depois do arqueópterix, vários outros fósseis foram descobertos de animais que misturavam características de dinossauros e aves, o que reforça a ligação entre eles. Os dinossauros não estão mais entre nós, mas, de certa forma, continuam vivendo até hoje por meio das cerca de 10 mil espécies de aves que habitam a Terra.

shutterstock_47407834

Arqueópterix, um animal que misturava características de dinossauros e de aves

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *