Instituto TIM

Hubble: 25 anos de grandes descobertas

22/04/2015

Neste ano, a NASA e a ESA, as agências espaciais dos Estados Unidos e da Europa, comemoram um aniversário muito especial. Não é de nenhum astronauta, engenheiro ou cientista, mas de um telescópio – e um dos mais famosos do mundo, o telescópio Hubble. No dia 24 de abril ele completa 25 anos de seu lançamento. Esse telescópio não é daqueles que ficam aqui na Terra: ele foi o primeiro telescópio espacial, que orbita o nosso planeta para ter uma visão melhor do universo.

E é justamente por causa dessa posição privilegiada que Hubble conseguiu fazer registros que levaram a descobertas muito importantes. Ele fotografou, por exemplo, galáxias das mais diferentes idades. Isso ajudou os astrônomos a entender como elas se formam e a estimar há quanto tempo o universo existe – entre 13 e 14 bilhões de anos. O telescópio também detectou que as galáxias estão se afastando umas das outras de forma acelerada, o que mostrou que tem uma força diferente causando isso (ela foi chamada de energia escura, e ainda é um mistério na ciência).

Lá no espaço, suas imagens não têm nenhuma interferência da atmosfera (a camada de gases que envolve a Terra), que distorce ou bloqueia as ondas de luz que chegam aqui. Além disso, Hubble tem grandes espelhos para captar a luz, em mais frequências do que os seres humanos podem enxergar. É a partir dela que câmeras digitais e outros equipamentos do telescópio conseguem registrar essas imagens tão bonitas e com tanta qualidade.

Hubble já fez mais de 1 milhão de observações de pontos muito distantes da Terra. Imagine só a quantidade de material que os pesquisadores têm graças a ele! Esse telescópio deve parar de funcionar em alguns anos, já que seus componentes estão se degradando. Já há até um substituto para ele, o telescópio James Webb, que ainda está sendo construído. Mas as descobertas de Hubble serão sempre conhecidas como revolucionárias para a ciência. A ESA fez uma seleção das 100 melhores imagens feitas pelo telescópio. Veja abaixo quais foram os 10 primeiros colocados (o primeiro lugar está em destaque abaixo da galeria).

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

New view of the Pillars of Creation — visible

Pilares da Criação – Créditos: NASA, ESA/Hubble e Hubble Heritage Team

 

Curiosidade: A imagem acima é de um dos mais famosos registros de Hubble. São os Pilares da Criação, colunas de gás que ficam na nebulosa de Águia, uma região onde nascem muitas estrelas. Mas esses famosos pilares não existem mais – e só vamos conseguir ver isso daqui a cerca de mil anos! É que as imagens feitas pelo Hubble não mostram o que acontece em tempo real. Os corpos celestes estão a distâncias tão enormes, que a luz deles demora de milhares a bilhões de anos para chegar até o telescópio. Isso significa que estamos vendo o passado deles. Da mesma forma, se alguém nessas grandes distâncias tentasse ver a Terra, a imagem vista seria de muitos e muitos anos atrás, quando os seres humanos nem existiam!

2 Comentários

  1. Vejo o universo como algo assustador e gigantesco, colossal, sem dimensão e forma, mas tudo é muito bem definido e colocado em seu devido lugar, por tempo determinado ou não. Com a visualização dessas majestosas fotos, vejo que o universo é, realmente, muito mais do que sabemos e vemos. É encantador ver o espaço sideral além Terra. Acho fantástico os trabalhos dos astronautas: pessoas que vivem a descobrir tantas curiosidades que os seres humanos ficam se interrogando. Esses cientistas não dão conta de tudo, mas traz muitas resposta e continuam provocando tantas curiosidades. Houve uma época em descobrir o mundo através das grandes navegações, que podemos considerar como os cientistas do espaço de hoje; agora é a vez das viagens ao espaço, que nos apresenta muitos mistérios. Vejo que o maior campo de pesquisa do homem é a sua insaciabilidade, a engrenagem que leva o homem a dar mais um paço.

    Responder
  2. Lindas imagens *-*

    Responder

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *