Instituto TIM

Algum animal resistiria a uma explosão nuclear?

03/06/2015

A barata tem a fama de ser um bicho muito resistente. Dizem que ela seria um dos poucos animais que sobreviveriam a uma explosão nuclear – um tipo de explosão que emite uma radiação muito forte. É uma quantidade de energia tão grande, que poucos seres conseguem sobreviver. Mas será que as baratas sairiam mesmo ilesas de um desastre como esse?

Essa história tem um pouco de verdade e um pouco de mentira. As baratas conseguem suportar um nível de radiação 10 vezes mais alto que os humanos. Elas também podem ficar até um mês sem comer e conseguem viver por algumas semanas sem a cabeça. Mas, apesar de toda essa resistência, elas não aguentariam o impacto de uma explosão nuclear. O que acontece é que depois da explosão a radiação continua por muitos anos no local, em um nível menor. Aí sim as baratas conseguiriam se virar em um lugar como esse.

Mas existe um animal que ganha fácil o título de mais resistente: o tardígrado, também conhecido como urso d’água. Para você ter uma ideia, esse bichinho de cerca de 1 milímetro sobrevive a temperaturas extremamente baixas e altas (de -272 °C a 148 °C), a níveis de pressão tão altos que nem existem em nossos oceanos e a mil vezes mais o nível de radiação que nós, seres humanos, conseguimos aguentar (a barata parece fichinha depois dessa, não é?). E ainda não acabou! Cientistas levaram alguns exemplares de tardígrados para o espaço sem nenhuma proteção. E não é que eles resistiram?

 

Adult_tardigrade - Goldstein Lab

Um tardígrado adulto – Créditos: Goldstein Lab/Wikimedia Commons

 

Parece até algum superpoder, já que eles são animais que vivem na água. Mas os tardígrados não morrem se os tirarmos de seu ambiente. Eles conseguem desidratar quase todo o corpo, ou seja, eliminar a água que tem dentro deles, e desacelerar o metabolismo. Isso significa que seu organismo ainda funciona, mas de maneira muito lenta, como se estivesse adormecido. Esse processo, que chama criptobiose, é o que faz esse bichinho ser tão resistente.

Há cientistas que estudam maneiras de levar os tardígrados novamente ao espaço e fazer com que eles voltem ao seu estado normal por lá, reidratando seu organismo. A ideia é verificar se se eles poderiam sobreviver no espaço em suas condições normais. Se essa experiência der certo, será um passo para comprovar a hipótese dos cientistas: de que os tardígrados podem ser os primeiros animais terrestres que conseguiriam viver em outro planeta.

 

Fontes:
Superinteressante
HypeScience
Fantástico (G1)
Mundo Estranho

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *