Instituto TIM

Museus onde dá para aprender – e explorar – ciência

20/08/2014

Museus são lugares em que a gente tem a chance de observar e conhecer grandes obras e feitos da humanidade, objetos e produtos de enorme valor artístico, histórico, cultural e científico. A equipe de TIM Faz Ciência fez uma lista de museus legais de ciências onde dá para brincar, se informar e aprender ao mesmo tempo.

Catavento Educacional e Cultural (São Paulo-SP)
Esse museu educativo traz mais de 250 atrações espalhadas por 8 mil metros quadrados. Quem vai lá tem a oportunidade de tocar um meteorito de verdade, desvendar o corpo humano visto por um ângulo diferente, entender o funcionamento de um gerador de energia e conhecer o formato dos astros do céu – sem contar que dá para mexer nas coisas e até conversar com alguns personagens históricos.

Museu de Ciências e Tecnologia da PUC-RS (Porto Alegre-RS)
Vinculado à Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, o MCT-PUCRS tem um acervo formado por cerca de 700 equipamentos interativos, além de fósseis, espécimes representantes da biodiversidade brasileira e peças provenientes de escavações arqueológicas. Os visitantes interagem com os equipamentos – eles são convidados a testar sua força, seu equilíbrio, sua velocidade e elasticidade, fazer uma viagem à era dos dinossauros, simular eclipses e observar um vulcão em erupção.

Museu do Relógio (São Paulo-SP)
São mais de 700 peças expostas. Há alguns objetos curiosos, como um relógio em forma de tartaruga e outro que até prepara café, e relíquias como um relógio pêndulo de 1885. Aliás, a peça mais antiga do acervo é um relógio alemão que possui somente o ponteiro de horas – na época, a marcação do tempo era tão imprecisa que os relógios não marcavam os minutos. Se não der pra visitar o museu pessoalmente, dá pra fazer um tour virtual.

Museu dos Transportes Públicos Gaetano Ferolla (São Paulo-SP)
O museu possui no acervo o primeiro bonde a circular no Brasil, puxado por burros – adotado no Rio de Janeiro em 1859 e em São Paulo em 1872 – e o bonde elétrico Gilda, que tinha sistema de calefação e circulava nas áreas ricas da cidade. E o melhor é que dá pra entrar nos veículos e ver tudo de pertinho.

 

FONTES: Veja São Paulo, Guia Quatro Rodas e Portal Aprendiz.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *